quarta-feira, 27 de outubro de 2010

Notícias do Inimigo Público abrem ciclo de reflexão sobre os media

David Marçal, autor de humor científico no suplemento do Público, é o primeiro convidado da iniciativa promovida pela Almedina Estádio Cidade de Coimbra. No dia Dia 28 de Outubro, às 21 horas.





De onde surgem as notícias falsas do Inimigo Público? Como se processa a desconstrução satírica das notícias? David Marçal levanta o véu sobre os mistérios da criação noticiosa humorística, na próxima 5.ª-feira, à noite, na livraria Almedina Estádio. A sessão, intitulada “As Notícias Falsas do Inimigo Público”, decorre no âmbito do ciclo de tertúlias “O Discurso dos Media”, que se vai prolongar até Dezembro. A entrada é livre.

Uma das primeiras “revelações” do convidado da livraria Almedina diz respeito aos critérios de selecção das notícias. “O que conta é a importância na actualidade noticiosa, os interesses e gosto dos autores”, adianta David Marçal. “Claro que há notícias que são mais satirizáveis do que outras: é muito difícil fazer humor sobre humor e é muito apetecível tudo o que contenha uma incongruência implícita”, acrescenta ainda.

“No caso da ciência, um critério importante é conseguir encontrar uma maneira de ligar um tema de ciência com outro assunto da actualidade”, revela David Marçal, autor de centenas de textos de sátira científica, desde o início da sua colaboração com o suplemento Inimigo Público, em 2003. “No caso das más notícias, o humor poderá funcionar como um escape”, acredita o jovem escritor, recordando que a aceitação do Inimigo Público pelo público em geral tem sido boa, como comprova a longevidade do suplemento (7 anos).

Licenciado em Química Aplicada e doutorado em Bioquímica, David Marçal irá também falar do ciclo noticioso em ciência. O antigo jornalista de ciência não esquece que, para divulgar um artigo científico, “há uma necessidade de adaptação do discurso, porque o formalismo necessário da linguagem científica pura e dura não é acessível à maioria das pessoas. Mas o percurso é longo e pode-se perder muita coisa na tradução!”, alerta David Marçal.

O Ambiente, a pseudociência e a importância da cultura científica como imperativo de cidadania são outros dos temas abordados por David Marçal, durante a primeira sessão do ciclo “O Discurso dos Media”.

A livraria Almedina propõe, com esta iniciativa, uma abordagem original à temática da comunicação. Com exemplos práticos e partilha de experiência, o ciclo de tertúlias vai focar as estratégias de comunicação empresarial (11 de Novembro), os desafios levantados pela comunicação nas redes sociais (25 de Novembro) e, ainda, no dia 9 de Dezembro, as emoções no discurso mediático. As sessões têm sempre início às 21 horas e são gratuitas.

Sobre David Marçal

Nascido em 1976, em Lisboa. Licenciado em Química Aplicada e doutorado em Bioquímica, fez investigação nos contextos académico e industrial. Foi, por um curto período, jornalista de ciência do Público e autor de temas científicos para crianças na revista “kulto”. Desde 2003 é autor de humor científico no suplemento satírico Inimigo Público, tendo escrito centenas de textos de sátira científica. Actualmente, desenvolve um projecto de comunicação de ciência recorrendo ao teatro e ao humor, tendo criado vários espectáculos nesse âmbito: é coordenador dos Cientistas de Pé (um grupo de stand up comedy com cientistas), co-autor do espectáculo de Teatro Fórum "De que falamos quando falamos de cientistas" levado à cena no Teatro Nacional D. Maria II, autor dos monólogos satíricos "Stupid Design" e "Método do Bosão de Higgs", ambos criados para o Museu de Ciência da Universidade de Coimbra. Foi vencedor do "Prémio Químicos Jovens / Gradiva 2010" da Sociedade Portuguesa de Química, e do "Prémio Ideias Verdes 2010", promovido pela Fundação Luso e pelo Jornal Expresso

Sem comentários: